Aquele passo que se da conscientemente em direção ao abismo.

Pus minha caneta de lado, engoli fumaça e soltei fogo.
em volta de uma mesa vazia, eu via, aos poucos o ar se encher de desgosto cruel e simplório.
O gosto na minha boca era de remédio, veneno, fel.
nada era doce o bastante para tirá-lo.
eu engolia e cuspia o líquido ácido. tentava arrancar,
Abrir a torneira,deixar descer pelo ralo
Mas nada, nada adiantava
Aquela cara de boazinha, aqueles modos tão maternais.
o jeito nada misterioso. A verdade dançava.
Eu estava entalada. cheia, Impregnada
De mim mesma
         por todos os lados.
         Eca.

Nenhum comentário: