laço e nó

Visto que nada é eterno, não sinto culpa
estamos nós, amontoados e sós
num nevoeiro feito de tempo e pó.
o laço, bem dado e forte, agora virou nó.
e nó sendo, não se desfez, apenas refez.
não tem a mesma cara, mas ainda é um elo
sinto que ainda espero, por um giro completo
que nos leve de volta e  em frente
onde só existia amor, pra gente.
mas a paixão ainda não tinha nos colocado naquele barco
e nos deixado ir.
teria eu, ainda esperança no mundo, se não tivesse
nele entrado?
talvez por ter me apaixonado tão desesperadamente
por aquela projeção.
hoje eu ame de corpo e alma o tanto de carne e osso que você é.
mesmo que eu saiba
que já não podes mais ser minha mulher.

Nenhum comentário: