BFF


Se és tu tristeza, se és tu, também conhecida como melancolia, o pote de onde vem as ideias, se achegue, vem, sem medo. Eu dou abrigo como você me deu e ouço como ouviu certa vez. Confesso que ando acostumada com essa companhia.  Com isso eu sei lidar. É com a alegria que eu não sei.
Porque o vazio é um lugar confortável.  O palpável  é distante e frio.  Onde estou... Acalma, mas não deixa de ser vazio.  Ô tristeza, você que estivesse sempre por aqui,  descarada, ou sorrateira. Tu me conheces tão bem.  Me vê a noite, sem mascara e sem cobertor.  Domina o que há por dentro, e ao redor.  Ah, cara amiga. Eu tenho encontrado muito pouco com você. Mas um pequeno encontro, é tão intenso.
Eu peço, que não espalhe por ai, que andamos juntas, de mãos dadas. Nada pessoal, mas você sabe da sua fama, não sabe?  E eu tenho outros amigos. Muitos outros. E eles me afastam de você, com a mesma intensidade que me levam  de volta. Porque eu preciso.
Ou porque no fundo, você é a única. A única amiga que não foi embora, durante todo esse tempo.

Nenhum comentário: