Sem palavras para Harry Potter e as Relíquias da Morte

( Contém Spoillers)

Só agora, quase uma semana depois de ter assistido ao filme que mais esperei esse ano, me sinto a vontade para falar dele. Sim estou falando de Harry Potter e as Relíquias da Morte. Para uma pessoa que tem acompanhado a série de livros e filmes há mais de dez anos, presenciar o “inicio do fim” é um grande acontecimento.

Os dois primeiros filmes da série foram bastante fieis aos livros. Talvez isso, somado com a minha pouca idade tenha feito com que eu não tivesse nada a reclamar deles. Mas eu fui crescendo, e os livros ficaram mais grossos, e com isso, mais e mais cortes eram feitos nos filmes. Eu gostava deles, mas ficava com muita raiva. Até entrar na faculdade.

Trabalhar e estudar a linguagem audiovisual, fez com que eu entendesse mais os diretores e perdoasse um pouco as suas escolhas. De modo que, quando eu vi “O enigma do príncipe”, eu já compreendia que coisas devem ser deixadas de fora. É claro que ainda acho que não custava nada ter colocado o Gui no natal na casa dos Weasleys no filme 6, e Dobby ajudando Harry no filme quatro. Mas digamos que eu entendo a maior parte. Hoje, eu gosto de todos os filmes. Cada um conseguiu, ao seu modo, me chamar atenção.

Mas nada até agora tinha me preparado para “Relíquias da Morte Parte I”.

Nem a fidelidade dos dois primeiros, a ótima escolha dos atores, os efeitos especiais cada vez melhores, a trilha de Jonh Willians, as cenas da Bellatriz, a ótima fotografia de “O enigma do príncipe”.... Nada tinha me preparado para o filme que vi no cinema quinta feira passada.

Juro que em certas horas, eu me esquecia que era um filme produzido por uma grande indústria Hollywoodiana. A simplicidade de algumas cenas, a paciência em desenvolver o estado emocional de cada um dos personagens, os longos diálogos que não foram interrompidos, e a fotografia baseada em grandes cenários e luz natural, me fizeram esquecer. Algumas cenas realmente me lembraram filmes clássicos europeus que eu vi e gosto.

Todas as críticas que li sobre o filme dizem a mesma coisa, que tenho que concordar. O trio principal teve uma grande chance de mostrar como evoluiu durante esses dez anos. Com destaque para Daniel Radcliffe na cena dos “Sete Potters”, Rupert Grint na briga com Harry e Emma Watson no inicio do filme quando está indo embora de casa. Eles estão bons no filme todo, mas acho que eles tiveram seus momentos individuais de brilhar.

Falhas de outros filmes, fizeram coisas importantes como o casamento de Gui e Fleur e a Morte de Dobby terem um peso menor, mas isso não diminui a qualidade desse filme em questão. Tudo foi explicado e colocado, mesmo que tenham acontecido cortes, o necessário estava ali. A base estava ali.

As duas horas e meia do filme conseguiram me contar a história, sem me deixar frustrada do tipo “Já acabou?”, nem achando que o filme levou séculos. Foi um filme feito para os fãs, mas que não deixou ninguém boiando. Aposto que é o tipo de filme que Peter Jackson acharia legal. XD O fã que conseguir reclamar com motivos sólidos desse filme, sinceramente, vai pra PQP... Vamos parar de pensar na "nossa" parte preferida, e sim no que é revelante como um todo.

Agora resta ver a parte II. Nos temos uma invasão a Gringotes, uma batalha em Hogwarts, uma conversa com Dumbledore e muita carga emocional pela frente. Se o David Yates manter o que vem fazendo com a série até então, tenho certeza que a platéia vai voltar satisfeita pra casa, e quem sabe ele volte com um Oscar na mão?

Nenhum comentário: