Sobre críticos e críticas construtivas


Fui ler a crítica sobre a trilogia Millenium na edição de agosto da Rolling Stones (essa dai com a capa da Mariana Ximenes com um chifre horrível, mas que ilustra bem o texto) esses dias. Não sei porque eu ainda insisto em ler criticas. Pra mim, a maioria delas se torna uma tentativa inútil dos críticos de impor sua opinião ( nem sempre boa) sobre as coisas. Mas no caso, dessa, ele falou bem. Eu gosto da trilogia, e não discordo da crítica, mas o que me incomodou foi o texto de abertura. Para dizer que era uma façanha uma trilogia sobre um jornalista econômico e uma racker punk ter feito sucesso, eles dizem - com outras palavras, mas deixando bem claro - que para Harry Potter e Crepúsculo foi fácil.

Independente de gostar ou não dessas séries, não é fácil. Existem muitos livros sobre crianças salvando o mundo e mais ainda sobre amores adolescentes impossíveis, se as séries fizeram sucesso, é porque algo de bom (nem que seja um bom marketeiro) elas tem. E, além disso, essas mesmas séries já renderam muita venda a própria revista que faz a crítica.

Mas a questão não é essa. Meu foco é a palavra em si. É desnecessário precisar criticar uma coisa, para falar bem de outra. Sabe aqueles tias ou vizinhas que vivem fazendo elogios críticos do tipo "Nossa, seu cabelo tá tão bonito. Porque antes, parecia uma palha...".

Talvez minha opinião seja um pouco estúpida, mas muita critica sempre me parece recalque. Eles levam a palavra "crítica" muito ao pé da letra, e não pode existir um crítico "bonzinho", afinal quem gosta de muita coisa, não entendi nada do assunto.

E escrevendo esse textos sobre críticos eu lembrei das críticas em geral. Afinal, quem foi o idiota que inventou essa tal de crítica construtiva? Sinceramente, se alguém quiser uma opinião sobre o que está fazendo, a pessoa vai perguntar. Juro, ela vai. " Meu cabelo tá bom?", "Gostou do meu trabalho?", "acha que eu devo ir lá?" e por ai vai...

Não adianta tentar forçar a pessoa a ser de um jeito ou de outro. Ela não vai mudar, a não ser que ela queira. E ficar insistindo só vai fazer ela ficar irritada, e te achar idiota.

Particularmente, eu sinto que estão se metendo na minha vida quando vem me dar algum “conselho”. Porque afinal, as pessoas dão conselhos para melhorar sua própria vida, e não a da pessoa que está sendo aconselhada. Mas é claro que não é o caso desse texto, que está na internet, em um lugar de livre acesso. (ahuhauau) Fiquem a vontade para criticar, ou elogiar.

Um comentário:

Caio Moura disse...

Gostei.
Acho critca de cinema um saco.continuo lendo só pelo costume mesmo . rsrs